22.4.14

As melhores jogadas deste belo ano de 2014


Faltam aqui uma ou duas jogadas do Gerald Green (injustiça que será compensada no top 10 de afundanços, seguramente) e temos dúvidas sobre o primeiro lugar, mas é um top 10 do c@#$%&*:


21.4.14

Bater Bolas - Rockets ou Blazers?



Houston x Portland é provavelmente a série mais imprevisível desta primeira ronda. Uma série que começou com um grande jogo, que promete mais grandes jogos e onde, na nossa opinião, tudo pode acontecer. Por isso, a pergunta do BATER BOLAS de hoje é muito simples: quem passa? Rockets ou Blazers? E porquê?


Surpresa, são os playoffs!



Se alguém tinha dúvidas sobre a imprevisibilidade destes playoffs e que estes vão ser emocionantes como nunca, acho que esta primeira jornada dissipou-as. Ao fim de oito jogos (o primeiro de cada uma das séries), as equipas da casa estão com um recorde de 3-5. Mais de metade das séries começaram com vitórias da equipa visitante e algumas delas foram bem surpreendentes.

E, surpresa das surpresas, se no Oeste já se esperava essa imprevisibilidade, o Este foi mais pródigo em surpresas e três das quatro séries arrancaram com vitórias fora. Para além dos Nets em Toronto, os Hawks chocaram os Pacers em Indiana e os Wizards roubaram o primeiro jogo em Chicago.

Se em casos como o dos Nets ou Blazers podemos defender que esse resultado não foi assim tão surpreendente (apesar de terem terminado a temporada regular com um recorde pior, a equipa de Brooklyn é a favorita na série e na série Portland-Houston tudo é possível), as outras três vitórias fora de casa foram grandes surpresas.

E se no Oeste já prevíamos uma primeira ronda épica, a Este as coisas acabaram de ficar muito mais interessantes. Não podíamos pedir melhor para arrancar estes playoffs!

__


partilhámos aqui as nossas apostas para equipas que podiam (podem) surpreender no Este (Nets confirmam, os Bulls começam mal), mas ainda não dissemos as que, para nós, podem fazer o mesmo a Oeste. 

Tinhamos duas escolhas para esse lugar e vamos manter apenas uma. E, chamem-nos malucos, mas vamos retirar desse lote aquela que ganhou o primeiro jogo e manter aquela que perdeu na estreia.


A primeira que íamos apontar como maior candidata a uma surpresa, deixou de o ser (para nós) quando perdeu o seu defensor mais influente. Curiosamente (ou ainda mais surpreendentemente!), foi assim mesmo que começou a série, com uma surpresa e uma vitória improvável em Los Angeles. Falamos, claro, dos Warriors. 

Antes da lesão de Andrew Bogut, eram uma das equipas em que apostávamos para fazer uma surpresa nesta primeira ronda. Mas, apesar dessa vitória, não acreditamos que consigam ganhar a série sem o australiano.

Neste primeiro assalto, Blake Griffin teve problemas de faltas, jogou apenas 19 minutos e foi um jogo atípico e que não se deve repetir na série. É claro que uma equipa que tem atiradores tão bons como Curry e Thompson tem sempre uma hipótese de ganhar qualquer jogo. Mas com o decorrer da série e com os ajustes dos Clippers, vão precisar de mais do que ataque para ganhar. E sem Bogut não têm defesa interior suficiente para os Clippers. Há uma semana atrás (e na máxima força) eram o nosso maior candidato a um "upset" no Oeste. Agora não acreditamos que surpreendam os Clippers mais três vezes. 


Ao inverso dos Grizzlies, que, apesar de terem perdido o jogo inaugural, vamos manter como candidatos a uma surpresa. E mantemos o que pensávamos antes dos playoffs começarem:

esta equipa de Memphis teve um dos melhores recordes da liga em 2014, tem a melhor defesa da conferência, o ataque está melhor que no ano passado (já não dependem exclusivamente do jogo interior) e na segunda metade da temporada (desde que Marc Gasol regressou da lesão) voltaram a parecer-se com a equipa do ano passado.

Neste primeiro jogo, os lançamentos exteriores não caíram (2-11 em triplos) e sem isso são aquele ataque mais limitado de antes. Mas se/quando caírem (como aconteceu no 3º período, em que recuperaram da desvantagem de 25 pontos), são a equipa mais perigosa e o osso mais duro de roer entre todas as equipas sem vantagem-casa.

Esta é a série, a par com Portland x Houston, em que tudo pode acontecer. Os Thunder ganharam o primeiro round, mas esta batalha está longe de estar terminada.

18.4.14

Passatempo NBA Playoffs 2014


Como já é hábito e à semelhança dos anos anteriores, vamos lá ao nosso Passatempo dos Playoffs. Já sabem como funciona: enviem-nos as vossas previsões para os resultados de TODAS as rondas dos playoffs (da primeira até às Finais) e quem acertar na grelha completa (ou quem acertar mais rondas), ganha.


Em caso de empate no número de rondas certas, o desempate será feito pelos resultados e o vencedor será aquele(a) que tiver acertados mais resultados das rondas. Por isso, enviem-nos os vencedores de cada série e o resultado (4-0, 4-1, 4-2 ou 4-3 e para qual equipa) para o email setevintecinco@gmail.com, juntamente com o vosso nome, até à meia noite de 3ªfeira, dia 22.




Em portas de garagem, em quintais, em playgrounds, em campos de terra no meio do nada, são mais de 100 fotografias de cestos de todos os cantos dos Estados Unidos (incluindo os cestos da infância de Kevin Durant, LeBron James, Shaquille O'Neal e Gary Payton, entre outros). Hoop é um livro de fotos (lindas) de cestos e uma excelente adição para a colecção de qualquer fã.

Boas previsões e boa sorte!

Triplo Duplo - episódio 15


No TRIPLO DUPLO desta semana:

- fechamos as contas da temporada regular com as nossas escolhas para os prémios individuais
- e fazemos a antevisão dos playoffs (que começa amanhã), com as nossas previsões para todas as séries desta primeira ronda


17.4.14

Passatempo Playoffs 2014



Para quem já se anda a perguntar, claro que este ano vamos fazer o nosso habitual passatempo dos playoffs. Sai amanhã!

(entretanto, fica aí a grelha deste ano, para irem já pensando nos vossos palpites)



15.4.14

Para mais tarde recordar


Ao fim de 1230 jogos (ou quase, pois ainda faltam alguns), são, obviamente, muitos os destaques (positivos e negativos) e muitas as memórias que esta época nos deixa. Entre tantas coisas para recordar em mais uma temporada regular da NBA, estas são algumas das que não vamos (e/ou não queremos) esquecer:



- a desilusão monumental que foram os Knicks (podem não ser, nem de perto nem de longe, a melhor equipa no papel - como Stoudemire disse -, mas como é que uma equipa destas nem sequer vai aos playoffs?)

- a desilusão (menos monumental, mas grande ainda assim) que foram os Pistons e os Cavs. Duas equipas com muito talento individual (mais que suficiente para ir aos playoffs), mas completamente disfuncionais e que passaram a época à deriva.

- a surpresa que foram os Suns e Raptors. Dos primeiros esperava-se que fossem muito maus, mas  ficaram à porta dos playoffs, foram uma das equipas com jogo mais colectivo da temporada e ficam com uma boa fundação para o futuro. Dos segundos não se esperava que fossem tão maus como os Suns, mas ninguém esperava que este grupo batesse o recorde de vitórias da história dos Raptors e ficasse (provavelmente) em terceiro do Este.

- (e no seguimento da anterior) A evolução de jogadores como Kyle Lowry, DeMar DeRozan, Goran Dragic, Eric Bledsoe, Markieff Morris e Gerald Green, todos possíveis candidatos ao prémio de Jogador Mais Evoluído.

- (e ainda no seguimento da anterior) as 53000 vezes que Gerald Green nos deixou de queixo caído:


- as duas vezes que Iguodala nos fez saltar das nossas cadeiras (ou sofás):


- a ascensão de John Wall, que continua a trabalhar para melhorar o seu jogo e tornou-se num dos melhores bases do Este (e da liga), e dos Wizards.

- os Bobcats vão aos playoffs!

- pela primeira vez na história, vamos ter uns playoffs sem Lakers, Celtics e Knicks.

- o primeiro assalto ganho por Kevin Durant na luta a dois com LeBron James pelo prémio de MVP e pelo lugar de melhor jogador do mundo.

- (mas para prémio de consolação) os 61 pontos de LeBron (máximo de carreira).

- Paul Pierce chega aos 25000 pontos.

- Dirk Nowitzki entra no top 10 dos melhores marcadores de sempre (olhem só para os nomes dessa lista para ter noção do feito extraordinário do alemão!).

- Steve Nash no top 3 de assistências (podemos não voltar a ver Nash jogar e podemos ter assistido ao seus últimos momentos de brilhantismo. Se for esse o caso, muito obrigado por tantas memórias, Steve!).

- mais uma temporada de 60 vitórias dos Spurs (porque temporada de 50 vitórias já é normal, foi a 16ª consecutiva!), que continuam a encantar os fãs e a ser o exemplo supremo de inteligência, jogo colectivo, boa movimentação de bola, bons passes, boa defesa, enfim, uma equipa com E gigante.

- o fim da era de David Stern (gostasse-se ou não do homem, ele foi o arquitecto da NBA que conhecemos e adoramos e vai ficar para sempre na história do jogo)


Mais coisas haverá para recordar, mas estas são algumas das que, para nós, vão marcar para sempre esta temporada.