29.9.16

Boletim de Avaliação - Atlanta Hawks


Vamos lá então arrancar com os nossos já clássicos Boletins de Avaliação da offseason das 30 equipas da liga. Este ano começamos pelo Este e, porque no ano passado faltou esta divisão e estamos em falta com estas equipas, pela Southeast Division. E a primeira equipa a ser avaliada são os Atlanta Hawks:


Boletim de Avaliação - Atlanta Hawks

Saídas: Al Horford, Jeff Teague
Entradas: Dwight Howard, Jarrett Jack, Taurean Prince (12ª escolha no draft), DeAndre Bembry (21ª escolha no draft)
Cinco Inicial: Dennis Schroder - Kyle Korver - Kent Bazemore - Paul Millsap - Dwight Howard 
No banco: Jarrett Jack - Tim Hardaway Jr. - Thabo Sefolosha - Taurean Prince - Kris Humphries - Mike Muscala - Mike Scott - Tiago Splitter
Treinador: Mike Budenholzer

Balanço: Temos duas certezas em relação a estes Hawks: vão ser uma equipa diferente daquela que tivemos nas últimas temporadas, mas isso (mais uma vez) não vai ser suficiente para lutar pelo título da conferência.

Os Hawks precisavam de fazer mudanças. Eram bons, mas não eram suficientemente bons. Eram bons o suficiente para ganhar 50 jogos na temporada regular e ficar nos primeiros lugares da conferência, mas não eram bons o suficiente para vencer a conferência e lutar por um título.
O plantel que possuíam parecia ter atingido o seu pico e era improvável que conseguissem desafiar os Cavaliers e ir mais além do patamar "segunda ronda dos playoffs/finais de conferência na melhor das hipóteses" que atingiram nas últimas temporadas. Com os mesmos jogadores e sem reforços, isso não ia acontecer.

Por isso, precisavam de mudar alguma coisa. E mudaram. Só que não foi necessariamente para melhor. Perderam dois dos principais jogadores da equipa e os jogadores que escolheram para os substituir não são propriamente um upgrade. Trocaram um defensor subvalorizado por um defensor sobrevalorizado e um bom base por um potencial bom base.

Estamos curiosos para ver como Mike Budenholzer vai utilizar Howard e como este se vai encaixar no ataque. O ataque dos Hawks baseava-se em espaço e movimento, com jogadores interiores móveis, versáteis e capazes de ocupar posições exteriores. Mas o espaçamento com Howard vai ser totalmente diferente, pois este não consegue jogar de frente para o cesto e lançar de fora como Horford. 

Para além disso, Howard é um jogador que sempre baseou o jogo ofensivo na capacidade atlética. E com 30 anos (e já 12 épocas nas pernas; entrou na liga aos 18 anos) e com dúvidas sobre se ainda tem a capacidade atlética de outros tempos, vamos ver que contributo pode dar desse lado do campo.

Do outro lado do campo, Howard ainda é um bom defensor, mas já não o defensor de elite que era. Pode parecer, à primeira vista, que não perdem muito (ou nada) ao passar de Horford para Howard, mas o agora jogador dos Celtics é um dos defensores mais subvalorizados da liga e era a âncora defensiva da equipa.

Na outra grande mudança do plantel, outra incógnita. Schroder já mostrou ter potencial para ser um base titular na NBA, mas ainda não mostrou a consistência e regularidade que esse papel exige. Os Hawks apostam que ele seja capaz de realizar o seu potencial e tornar-se no base de topo que pode ser. Nós vamos ter de esperar para ver (uma nota positiva nesse particular é a contratação de Jarrett Jack, que pode ser um bom suplente e uma boa alternativa para essa posição).

Depois deram ainda 70 milhões por 4 anos a Kent Bazemore. Foi o preço a pagar para o manter, só que é outro jogador que tem o potencial, mas está longe de ser uma aposta garantida.

Somando tudo isto, o saldo não é positivo e não estamos a ver estes Hawks renovados a serem melhores que a versão anterior.

Nota: 9


(a seguir: Southeast Division - Charlotte Hornets)

26.9.16

Seis

Seis anos de SeteVinteCinco!
E, ao contrário do Senhor da foto, não temos planos para nos retirarmos após o 6º. Vamos lá a mais uma temporada da NBA!



18.7.16

Boas férias e bons cestos!




Mais uma temporada que já está nos livros de História, mais um ano em que estive aqui a acompanhar, a analisar e a comentar o que aconteceu na melhor liga de basquetebol do mundo. E mais um ano em que tenho de agradecer a todos vocês que estiveram aí desse lado. Muito obrigado a todos os que, ao longo destes meses, me leram aqui, me seguiram no Facebook ou no Twitter e/ou me ouviram no Buzzsprout. Já sabem que isto não tinha metade da piada sem vocês.

Esta temporada não escrevi tanto como em anos anteriores, mas o objectivo continuou a  ser o mesmo de quando comecei: criar conteúdo original sobre a NBA.

Como já disse antes, "o meu objectivo desde o início foi ter um espaço de reflexão, opinião, análise e comentário sobre a NBA e não apenas uma página de notícias e resultados. Porque esse tipo de informação está disponível em todo o lado, em centenas de sites (e no site da própria NBA). 

Pessoalmente, para saber resultados, classificações e notícias vou à fonte e penso que nenhum site ou página portuguesa poderá alguma vez rivalizar com os sites originais (nenhum site português vai alguma vez dar uma notícia dessas em primeira mão, apenas repetem o que foi anunciado na NBA ou na ESPN). Nada contra sites e páginas que fazem isso (há espaço para todos, temos todos objectivos diferentes e ainda bem que há variedade), mas não é esse o tipo de página que queremos ser. 

O que quero é acrescentar alguma coisa à discussão e produzir conteúdo original (e também partilhar algum do melhor conteúdo que é feito por esse mundo fora). Aqui sabem que podem encontrar uma opinião pessoal e original sobre o que acontece na NBA. O meu objectivo nunca foi que pensassem "deixa-me ir ao SeteVinteCinco o ver o que aconteceu hoje na NBA", mas sim "deixa-me ir ao SeteVinteCinco ver o que o Márcio pensa sobre o que aconteceu".

Em anos anteriores, esses conteúdos foram, maioritariamente, textos e artigos, este ano foi mais o podcast MVP e no futuro poderá ser outra coisa qualquer (ou uma dessas; ou todas essas). Mas uma certeza podem ter: cá continuaremos a opinar sobre a NBA e a trazer-vos conteúdos e iniciativas originais (e, esperemos, interessantes) sobre a mesma.

Para já, vamos ter ainda mais um episódio do MVP esta semana e depois, à semelhança do que fizemos no ano passado e há dois anos, vamos fazer uma pausa para férias e regressamos em Setembro, no dia 26 (dia do 6º aniversário do SeteVinteCinco). Espero que regressem também e que voltem a estar aí desse lado para mais uma temporada do melhor basquetebol do mundo. 
Até lá: boas férias e bons cestos! Até já, pessoal!

7.7.16

MVP #043 - Efeito borboleta



O episódio desta semana do MVP é totalmente (ou quase totalmente) dedicado ao terramoto que assolou a NBA esta semana: Kevin Durant nos Warriors.

1.7.16

MVP #042 - A minha fonte é melhor do que a tua



Se esta free agency vai ser (está a ser) de doidos, este episódio do MVP dedicado à dita também não podia ser muito normal:


24.6.16

MVP #041 - Não há Ibakas sagradas



Depois do episódio especial a meio da semana sobre as Finais, voltamos à programação regular e, no episódio desta sexta-feira do MVP, fazemos o balanço do Draft e das trocas de ontem à noite:


22.6.16

MVP #040 - Um jogo 7 (e umas Finais) para a História



Vocês pediram e aí está um episódio especial e antecipado do MVP, com a análise deste épico jogo 7 e o balanço destas incríveis Finais.

O jornalista Miguel Candeias, recém-chegado dos Estados Unidos (e com prendas, como podem ver pela foto. Muito obrigado mais uma vez, Miguel!), juntou-se a mim e ao Ricardo para discutirmos os ajustes que os Cavaliers fizeram, os ajustes que os Warriors não fizeram, o feito e o legado de LeBron James, a produção de Kyrie Irving, Tristan Thompson, Draymond Green, Stephen Curry e Klay Thompson, como se portaram Tyronn Lue e Steve Kerr, jogo bonito, jogo feio, t-shirts de wrestling e muito mais. É um episódio totalmente dedicado a esta série final que fica para a História da NBA: